HISTÓRICO DA COOPERATIVA EDUCACIONAL DE EUNÁPOLIS – COOEDUC

A Cooperativa Educacional de Eunápolis (COOEDUC) é fruto de um grande sonho. Esforços de pais, preocupados com a educação de seus filhos, que geraram o sucesso de um empreendimento que influenciou e continuará influenciando muitos lares neste município. A equipe formada ao longo de sua história, também, foi de fundamental importância para que a sua ascensão se efetivasse e fosse reconhecida pela comunidade eunapolitana.

A Cooperativa Educacional de Eunápolis, situada na Av. Ipiranga, 66, Centauro, em Eunápolis-Bahia, foi uma conquista dos pais de alunos às respostas aos constantes e exorbitantes aumentos das mensalidades das escolas particulares, buscando um ensino de qualidade, estribados na Constituição Federal, visualizando com destaque o art. 5o, XVIII, que dispõe sobre a criação de cooperativas. Foi instituída em 10/03/1992 como entidade mantenedora a Cooperativa Educacional de Eunápolis – COOEDUC, tendo seus estatutos aprovados em 28/10/1993 em Diário Oficial e registrados na Secretaria de Educação e Cultura, ministrando os segmentos de Alfabetização, Ensino Fundamental (autorizado pela Res. 608/1996, Diário Oficial de 28 e 29/12/1996) e posteriormente o Ensino Médio (autorizado também pela Res. 218/95, Diário Oficial de 13 e 14/01/1996), já com uma perspectiva estruturada para, gradativamente, poder preparar o aluno para uma formação integral, elevando-o à capacitação e preparação para o vestibular e, conseqüentemente, uma escola não fechada em si mesmo, buscando a construção de uma ligação íntima com a comunidade, propiciando práticas coletivas garantindo a participação de todos. Seus primeiros gestores foram: Professora Osmália Sena Pereira, Professor Jurandir V. C. Filho, Professora Maria Perpetua Socorro Soares.

Em 1999, tempo em que a escola passou por dificuldades financeiras e restaram apenas 170 alunos na escola para todo o Ensino Fundamental e Ensino Médio, o corpo docente e direção da escola, na gestão da Profa. Adil Santos Moreira, buscaram um novo lay-out do espaço físico das salas de aula, reajustar os trâmites legais de autorização da escola que estavam desatualizados, seleção de professores que abraçassem a causa, lia-se e debatia sobre teorias de educação: pedagogia tradicional, escola nova, pedagogia tecnicista, teoria da escola enquanto violência simbólica, teoria da escola enquanto aparelho ideológico e outros. E foi numa dessas incursões sobre as “velhas” e as “novas” correntes pedagógicas, que se tiveram os primeiros contatos com a pedagogia histórico-crítica, e suas concepções acerca do processo de transmissão-assimilação do saber objetivo, historicamente, acumulado pelo homem e da tarefa da escola de possibilitar os instrumentos de acesso a esse saber elaborado. Ainda no bojo das discussões sobre os pressupostos teórico-metodológicos, firmou-se posição a respeito da forma como seria conduzido o dia-a-dia da sala de aula, que deveria apoiar-se nos fundamentos do construtivismo para, não só nortear as ações pedagógicas na construção do conhecimento, mas também para criar um clima mais prazeroso com o mundo da escrita e da leitura.

Em janeiro de 2000, reuniram-se conselheiros da Cooperativa, funcionários, professores e, nesse momento, foi apresentada a proposta através da Professora Adil Santos Moreira, na época Diretora da Escola, de firmar convênio com o SISTEMA POSITIVO DE ENSINO. Isso propiciou grandes mudanças que viabilizaram maior desenvolvimento e crescimento da escola, resultando assim no aumento do número de alunos, de 170, para 360 alunos matriculados. Junto a essa proposta, o colégio adotou o sócio-interacionismo que traz em si uma convergência das idéias vigotskyanas, enfatizando a construção do conhecimento numa visão social, histórica e cultural, na qual os estudos de linguagem fundamentam o trabalho de leitura, produção, diversidade de textos, ortografia e gramática como instrumentos de comunicação. Propiciou-se também a efetivação do trabalho num processo de interrogação, argumentação e visão crítica da realidade.

Dando continuidade a esse trabalho, a partir de 2004, a nova Diretora, Professora Célia Moreira Melo trouxe para o turno vespertino, vagas não somente para o Fundamental I que já existia, mas, também, para o Fundamental II e Ensino Médio, oferecendo vagas à demanda da Comunidade.

A partir de 2005, tendo a escola realizado um trabalho que foi reconhecido pela comunidade eunapolitana e região, passou a receber prêmios como melhor empresa no ramo educacional. Esses prêmios foram recebidos até o ano de 2014, de forma consecutiva, os quais colaboraram significativamente com a reestruturação da escola.

A partir de 2007, a escola foi ampliando e criando novas salas para o ensino médio, biblioteca com acessibilidade ao portão central, auditório para reunião e ao mesmo tempo para vídeo, banheiros e sala de professores reestruturados. A quadra poliesportiva recebeu da Veracel uma cobertura bem estruturada permitindo que as aulas de educação física, jogos, eventos e as reuniões gerais da cooperativa se tornassem mais prazerosas e educativas. Os jardins internos foram respeitados pelos alunos criando um ambiente de aconchego, lazer e cuidados com o planeta Terra, manifestos na preocupação com a higiene, na preservação ambiental e social.

Também, em 2007, foi implantado o Regime de 9 anos. Os alunos da Educação Infantil, alfabetizandos, passaram para o Ensino Fundamental Nível I, recebendo novas salas, novos professores, novas propostas e metodologias dando a escola uma nova visão educativa.

A comunidade pertence a uma classe média e a classe média baixa na sua maioria. Têm alunos pertencentes à classe baixa que recebem bolsas de estudos do município, devido a um acordo feito entre a cooperativa e a prefeitura municipal desde a doação do terreno. Hoje, através de um acordo entre Secretaria Municipal de Educação e a Cooperativa, elaborado pela 3a Promotoria de Justiça da Comarca de Eunápolis com a presença da Promotora de Justiça Dra. Tamar Oliveira Luz Dias, os alunos bolsistas passam por uma seleção e ocupam as vagas correspondentes e se tornam alunos da cooperativa sendo alunos iguais e com os mesmos direitos e obrigações que tem os outros alunos não bolsistas. Há, também, com índice menor, alunos da classe média alta, funcionários da empresa VERACEL, IBAMA, médicos, empresários, bancários e outros.

Em 2009, a escola contou com 40 turmas distribuídas da seguinte forma: seis turmas de Educação Infantil, vinte e oito turmas do Ensino Fundamental e seis turmas do Ensino Médio em dois turnos, totalizando um número de 1.051 alunos. Como o espaço ficou pequeno para tanto aluno, foi necessário na matrícula de 2010 fechar algumas salas. O corpo docente contava nesse ano com 54 profissionais devidamente habilitados e qualificados, participando ativamente do desenvolvimento da escola e da concretização dos seus propósitos pedagógicos.

O prédio escolar está construído sobre uma área própria de 10.545,54 metros quadrados, sendo 3.203,85 metros de área construída em alvenaria, murado, atendendo às exigências no que se refere à localização e segurança.

Para um bom atendimento a escola oferece uma estrutura física bem detalhada além das salas de aula. Uma quadra poliesportiva com cobertura, sala de vídeo e reuniões, uma área de brinquedos para a Educação Infantil, uma pequena sala de atendimento aos professores de Educação Física, uma biblioteca que atende às necessidades não só dos alunos, mas da comunidade em que a escola está inserida, sala de informática, laboratório de ciências, sala de professor, salas para coordenação/orientação, secretaria, tesouraria, sala de xerox, sala de direção e um pequeno almoxarifado.

Períodos de gestão dos Diretores Pedagógicos:

. Osmália Sena Pereira – de 1993 – 1996

. Jurandi V. C. Filho – 1996 – 1997

. Maria P. Socorro Soares – 1997 – 1998

. Adil Santos Moreira – 1998 – 2003

. Célia Moreira Melo – 2004 – 2011

. Adilson Correia Souza – 2011 …

Atualmente a COOEDUC possui alunos distribuídos em dois turnos. Sua equipe pedagógica é composta de Pedagogos e Psicopedagogos, acompanhados de uma socióloga/advogada, psicóloga e uma fonoaudióloga que fazem atendimento aos alunos e atendem aos alunos com necessidades especiais.